Um dos mais ricos biomas de floresta do mundo, a Mata Atlântica, ainda guarda mistérios para os brasileiros. Porém, pouco a pouco, esses segredos vêm sendo revelados especialmente por meio de pesquisas científicas. Uma das descobertas mais fascinantes dos últimos anos é a existência do que se chamou de superfrutas da Mata Atlântica, frutas que são ricas em antioxidantes e anti-inflamatórios podendo ser usadas como auxílio a um sem-número de problemas de saúde.

5 Superfrutas Desconhecidas do Grande Público
Recebem a alcunha de superfrutas da Mata Atlântica cinco espécies que são desconhecidas do público em geral: araçá-piranga (E. leitonii), grumixama (E. brasiliensis), ubajaí (E. myrcianthes), cereja-do-rio-grande (E. involucrata) e bacupari-mirim (Garcinia brasiliensis). As propriedades fantásticas dessas frutas foram apresentadas em artigos publicados nas seguintes revistas científicas: Plos One e Journal of Functional Foods.

A quantidade de antioxidantes e anti-inflamatórios pode ser equivalente ou até superior ao encontrado em outras frutas como amora, framboesa, mirtilo e morango que são mais conhecidas no mercado. Devido a questões como redução do bioma da Mata Atlântica e falta de cultivadores essas espécies estão sob ameaça de extinção. Algo curioso haja vista o grande mercado nacional e internacional que tem sido criado para os superalimentos, as pessoas estão cada vez mais preocupadas com o que consomem em sua alimentação.

O Frutólogo que Ajudou na Pesquisa
A pesquisa acerca das superfrutas foi realizada em parceria entre a Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e a Universidade de São Paulo (USP), porém, para que ela fosse possível foi necessário contar com o apoio do maior ‘frutólogo’ do país, Helton Josué Muniz que é reconhecido por cultivar em torno de 1.400 espécies exóticas de frutas na sua propriedade situada no interior do estado de São Paulo.

Os pesquisadores chegaram as suas conclusões sobre essas frutas a partir da análise das sementes, folhas e frutos das cinco espécies da Mata Atlântica. A conclusão a que se chegou é que essas frutas podem ser funcionais para o organismo uma vez que a combinação de seus antioxidantes e anti-inflamatórios permite retardar a ação dos radicais livres que entre outras coisas são responsáveis por promover o envelhecimento precoce.

Mas, Afinal o Que São Alimentos Funcionais?
Basicamente os alimentos funcionais são aqueles que além de atender a demanda nutritiva contribuem para a prevenção de doenças como câncer, diabetes ou problemas cardíacos. Foi exatamente com foco em encontrar frutas funcionais que a pesquisa foi realizada. A população precisa contar com alternativas cujo preço seja mais em conta e tenha resultados positivos, uma combinação que se encontra no açaí, por exemplo.

Um Passo Além
Os pesquisadores não escondem a sua grande animação com a descoberta, pois além de apresentar a população opções de alimentos ricos em antioxidantes e anti-inflamatórios poderão futuramente formular medicamentos a partir de moléculas isoladas dessas frutas. Os cientistas perceberam que as substâncias químicas presentes nas superfrutas atuam de tal modo que impedem o exagero de células de defesa no combate de uma inflamação.

Deve ficar claro que essas substâncias não fazem com que o organismo se defenda menos, apenas que utilize células na medida certa. Quando são enviadas mais células de defesa do que o problema demanda pode se ter mais destruição do que benefício como resultado. Com estudos mais aprofundados será possível entender esse mecanismo de ação transportando-o para futuros medicamentos.

O mais interessante é que basta consumir essas superfrutas como alimento para começar a obter benefícios como ação mais eficaz em processos inflamatórios do organismo que são significativos para o desenvolvimento de doenças como Alzheimer, diabetes e ateroesclerose.

As Superfrutas Mais Poderosas
No grupo de cinco superfrutas três recebem o maior destaque por serem mais ricas. Em primeiro lugar está a araçá-piranga que apresentou impressionante redução de 62% de redução de migração de células de defesa. A fruta com melhor potencial é também a que está em situação de ameaça de extinção mais crítica.

Em seguida apresentam maior quantidade de antioxidantes as frutas vermelhas grumixama e cereja-do-rio-grande que se assemelham com as chamadas berries (são frutas vermelhas pequeninas). Em termos de sabor essas frutas parecem combinações de amora com cereja, tem sabor doce, mas sem perder o toque ácido.

Mais Pesquisas
A divulgação das cinco superfrutas da Mata Atlântica foi só o primeiro passo de investigação científica desse bioma florestal que ainda tem muito para nos revelar. Os pesquisadores estão estudando mais 14 espécies com potencial para serem superfrutas. O ideal é empreender esse tipo de estudo nesse momento em que o bioma está equilibrado, pois muitas frutas podem acabar desaparecendo.

Fonte: Cultura Mix

2-2 PG - Infotech
3-2 PG - Espaço Regional
1-1 PG ELETRIBEL
Magirus
Paraná
Comunic
Vizi Pet
Rc Amb. Planejados
Real Planejados
Saboretto