Procurador concluiu que situação de navio com cerca de 100 migrantes é ‘explosiva’. Embarcação passou 19 dias próximo à ilha italiana de Lampedusa.


Homem acena ao desembarcar do navio Open Arms na ilha de Lampedusa, na Itália — Foto: AP Photo/Salvatore Cavalli
Homem acena ao desembarcar do navio Open Arms na ilha de Lampedusa, na Itália — Foto: AP Photo/Salvatore Cavalli

Homem acena ao desembarcar do navio Open Arms na ilha de Lampedusa, na Itália

A procuradoria de Agrigento, na Itália, ordenou nesta terça-feira (20) a apreensão do navio de resgate Open Arms e o desembarque dos cerca de 100 migrantes a bordo.

O navio espanhol esteve parado no Mar Mediterrâneo perto da ilha italiana de Lampedusa nos últimos 19 dias. Os migrantes começaram a desembarcar na noite desta terça-feira, e um vídeo divulgado pela ONG Open Arms mostra a comemoração dos passageiros no momento do desembarque. Veja abaixo.

Os responsáveis pela embarcação vinham pedindo para desembarcar os migrantes dada a gravidade das condições do barco, mas o governo italiano permitiu, no sábado, apenas o desembarque de 27 menores que estavam desacompanhados.

Segundo o jornal “Corriere della Sera”, o procurador da cidade de Agrigento, Luigi Patronaggio, inspecionou o navio com uma equipe de médicos e chefes da capitania. Ele concluiu que as condições da embarcação eram ruins para que os migrantes continuassem ali.

“A situação no barco é explosiva, de máxima urgência”, reconheceu Patronaggio, segundo a agência France Presse.

De acordo com a ONG Open Arms, passageiros dormiam uns por cima dos outros no convés do navio. Além disso, havia apenas dois banheiros para quase 100 migrantes.

Imigrantes do navio Open Arms desembarcam na Itália

Imigrantes do navio Open Arms desembarcam na Itália

Desespero dos migrantes

Navio espanhol da ONG Open Arms está na costa da ilha de Lampedusa, Itália — Foto: Alessandro Serrano/AFP
Navio espanhol da ONG Open Arms está na costa da ilha de Lampedusa, Itália — Foto: Alessandro Serrano/AFP

Navio espanhol da ONG Open Arms está na costa da ilha de Lampedusa, Itália

A situação se agravou quando, em um gesto de desespero, quinze migrantes, alguns sem coletes salva-vidas, se jogaram no mar na manhã desta terça-feira para tentar nadar até Lampedusa.

“A situação está fora de controle”, disse a organização Proactiva Open Arms no Twitter.

Para tentar amenizar o impasse, o governo da Espanha anunciou o envio de uma embarcação militar para recuperar os migrantes do Open Arms. Não está claro o que ocorrerá após a decisão da promotoria italiana.

Migrantes saltam do navio de resgate espanhol Open Arms, perto da costa italiana em Lampedusa, na Itália. O governo espanhol anunciou nesta terça-feira (20) que enviará um navio militar para recuperar os migrantes do Open Arms, resolvendo assim a 'emergência humanitária' a bordo da embarcação — Foto: Guglielmo Mangiapane/Reuters
Migrantes saltam do navio de resgate espanhol Open Arms, perto da costa italiana em Lampedusa, na Itália. O governo espanhol anunciou nesta terça-feira (20) que enviará um navio militar para recuperar os migrantes do Open Arms, resolvendo assim a 'emergência humanitária' a bordo da embarcação — Foto: Guglielmo Mangiapane/Reuters

Migrantes saltam do navio de resgate espanhol Open Arms, perto da costa italiana em Lampedusa, na Itália. O governo espanhol anunciou nesta terça-feira (20) que enviará um navio militar para recuperar os migrantes do Open Arms, resolvendo assim a ‘emergência humanitária’ a bordo da embarcação

19 dias de espera

Alguns dos migrantes estão a bordo do Open Arms há 19 dias, igualando o recorde dos migrantes resgatados pelo SeaWatch3 no final de dezembro, antes de atracar em Malta em 9 de janeiro.

Diante da recusa de Roma em deixá-los desembarcar na ilha, o governo da Espanha propôs, no domingo, que a embarcação navegasse até o extremo sul espanhol. A ONG, porém, considerou a ideia “absolutamente irrealizável”.

Migrantes menores de idade desacompanhados são desembarcados do navio humanitário Open Arms pela guarda costeira italiana, na ilha italiana de Lampedusa  — Foto: Francisco Gentico/AP
Migrantes menores de idade desacompanhados são desembarcados do navio humanitário Open Arms pela guarda costeira italiana, na ilha italiana de Lampedusa  — Foto: Francisco Gentico/AP

Migrantes menores de idade desacompanhados são desembarcados do navio humanitário Open Arms pela guarda costeira italiana, na ilha italiana de Lampedusa

O governo espanhol propôs então que o navio chegasse às Ilhas Baleares, no Mediterrâneo. Apesar de mais próximas das Ilhas Baleares, a proposta também foi rejeitada pela ONG por causa dos três dias de navegação necessários para chegar ao arquipélago espanhol.

Em uma entrevista publicada nesta terça-feira pelo jornal “El Pais”, o fundador da Open Arms, Oscar Camps, pediu que os migrantes sejam autorizados a desembarcar em Lampedusa antes de serem transferidos de avião para a Espanha.

Impasse afeta política italiana

Matteo Salvini ao lado de Guiseppe Conte, que lê seu discurso no Parlamento italiano, em Roma — Foto: Yara Nardi/Reuters
Matteo Salvini ao lado de Guiseppe Conte, que lê seu discurso no Parlamento italiano, em Roma — Foto: Yara Nardi/Reuters

Matteo Salvini ao lado de Guiseppe Conte, que lê seu discurso no Parlamento italiano, em Roma

A celeuma em torno do navio humanitário ocorre em meio à crise política na Itália – que culminou na renúncia do primeiro-ministro Giuseppe Conte nesta terça-feira.

Isso porque o partido nacionalista A Liga, do ministro do Interior, Matteo Salvini, rompeu com o governo de coalização formado com o Movimento Cinco Estrelas. Com a base rachada, Salvini apostou no discurso contrário à acolhida dos migrantes que chegam em navios humanitários.

“A Itália não é mais o campo de refugiados da Europa”, conclamou Salvini pelas redes sociais.

Conte, ao renunciar nesta terça-feira, acusou Salvini de arruinar a coalizão e arriscar a economia do país por interesses pessoais e políticos.

Fonte:G1

2-2 PG - Infotech
3-2 PG - Espaço Regional
1-1 PG ELETRIBEL

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.