A parte líquida do núcleo da Terra parece estar “vazando” para as camadas superiores, sendo desconhecida a origem deste processo, tal como as possíveis consequências para a Terra.

A causa do “vazamento” continua sendo um mistério, tal como as possíveis consequências para o núcleo e a sua capacidade de criar o campo magnético, que é vital para a existência de vida na Terra.

A parte solidificada giratória do núcleo é a responsável pela existência da magnetosfera do planeta, que protege a Terra de partículas mortíferas que a bombardeiam do espaço, inclusive as provenientes do Sol.

Uma equipe de investigadores publicou recentemente um estudo científico no portal Science Alert, revelando que a camada exterior do núcleo líquido muito quente tem estado vazando para a camada imediatamente superior do nosso planeta, o manto terrestre, ao longo dos últimos dois biliões de anos.

Ilustração da NASA mostra como campos magnéticos em torno da Terra fazem com que partículas carregadas sejam lançadas para longe a altas velocidades

© NASA
Ilustração da NASA mostra como campos magnéticos em torno da Terra fazem com que partículas carregadas sejam lançadas para longe a altas velocidades

Os cientistas descobriram que as montanhas e rochas que se formaram recentemente na superfície da Terra apresentam uma combinação de dois isótopos de volfrâmio, volfrâmio-182 e volfrâmio-184, que são normalmente encontrados no núcleo exterior do nosso planeta.

Esta descoberta intrigou os investigadores, porque o material que é ejetado durante as erupções vulcânicas e que forma as novas montanhas vem diretamente do manto terrestre, a camada que se localiza acima do núcleo.

Este fato recém-descoberto (o fato de esta combinação de isótopos ter sido encontrada em rochas formadas durante erupções relativamente recentes) indica que o núcleo, que é formado por ferro e material em estado líquido a 5.000 graus centígrados, começou a vazar para o manto cerca de 2,5 bilhões de anos atrás.

Investigadores desconhecem a causa do vazamento

De acordo com uma das hipóteses, este processo é causado por determinados materiais ricos em oxigênio que vão da superfície para o manto, na fronteira com a camada externa do núcleo. Ali, o oxigênio trazido da superfície terrestre faz o volfrâmio ascender para o manto.

Vulcão Shiveluch, localizado na península de Kamchatka, é um dos mais ativos do mundo

© FOTO : NASA/JSC
Vulcão Shiveluch, localizado na península de Kamchatka, é um dos mais ativos do mundo

Outra hipótese sugere que o mesmo processo é causado pela solidificação gradual do núcleo interno, que era inicialmente constituído por metal liquido.

Os cientistas ainda não sabem se este vazamento do núcleo externo do planeta para o manto pode afetar o funcionamento no núcleo interior, influenciando também a nossa magnetosfera.

Fonte: Sputnik


1-1 PG ELETRIBEL
Magirus
Paraná
Comunic
Vizi Pet
Rc Amb. Planejados
Real Planejados
Saboretto
Viper