Não houve funeral paraTotò Riina, mas padre deu bênção

© Reuters

corpo do chefão mafioso da Cosa Nostra, Salvatore “Totò” Riina, foi enterrado no fim da manhã desta quarta-feira (22) no cemitério de sua cidade natal, Corleone (foto), no sul da Itália. O enterro, que não contou com um funeral, foi acompanhado pela viúva de Riina, Ninetta Bagarella, e por três dos quatro filhos – Maria Concetta, Lucia e Salvatore. O mais novo, Giovanni, cumpre pena de prisão perpétua.

Apesar da proibição para um funeral público, o padre Giuseppe Gentile, pároco da igreja Maria Santíssima das Graças, deu uma benção no corpo a pedido da família. Como o papa Francisco excomungou todos os mafiosos, e Riina nunca mostrou arrependimento, não houve a tradicional celebração religiosa no cemitério.

Continua depois da publicidade



O esquema de segurança no local foi reforçado e o cemitério permanecerá fechado para o público até esta quinta-feira (23). Os parentes do “chefe dos chefes” não falaram com a imprensa após o enterro.

Riina foi enterrado próximo de outros líderes de clãs da Cosa Nostra – e também de algumas de suas vítimas mais famosas. Entre os primeiros, o túmulo fica próximo dos aliados e amigos Francesco Paolo Leggio e Bernardo Provenzano. O local também fica próximo ao “descanso final” do primeiro prefeito socialista de Corleone, Bernardino Verro, e do empresário Francesco Coniglio, ambos assassinados pela Cosa Nostra.

Continua depois da publicidade



O mais sanguinário dos chefes mafiosos, que foi condenado a 26 penas de prisão perpétua pelo assassinato de mais de 100 pessoas, morreu na última sexta-feira (17), após passar 10 dias internados na UTI da ala de detentos do hospital de Parma.

O corpo dele passou por autópsia no dia seguinte para determinar a causa da morte, mas Riina sofria com problemas renais.

Continua depois da publicidade



Riina ficou muito conhecido por implantar um período de terror na Sicília, com dezenas de atentados contra magistrados e rivais. Entre os assassinatos ordenados por ele, estão as mortes dos juízes Giovanni Falcone e Paolo Borsellino, líderes de ações judiciais contra a Cosa Nostra. Com informações da Ansa.

Fonte: Isto é

Saboretto
Viper
Zanella
2-2 PG - Infotech
3-2 PG - Espaço Regional
1-1 PG ELETRIBEL
Paraná
Comunic
Vizi Pet