Senador Fabiano Contarato é entrevistado no estúdio do Poder360

© Reprodução Senador Fabiano Contarato é entrevistado no estúdio do Poder360

Senador em 1º mandato, Fabiano Contarato (Rede-ES) disse esperar que o procurador-geral da República, Augusto Aras, tenha a Constituição “como uma Bíblia” durante seu período como chefe do Ministério Público. As declarações foram feiras durante entrevista concedida no estúdio do Poder360, nesta 5ª feira (10.out.2019).

O congressista é homossexual assumido e protagonizou embate com Aras na ocasião da sabatina no Senado que confirmou sua indicação, no mês passado. O desentendimento aconteceu porque Aras assinou uma carta de princípios e comprometimentos evangélicos que menciona a “cura-gay” e só reconhece como família aquela que é fruto de relações heterossexuais.

“Quando li essa carta, poxa, eu sou casado. Eu tenho muito orgulho do [meu marido] Rodrigo. Eu tenho muito orgulho do meu filho, Gabriel, e estamos esperando, se Deus quiser, mais 1 filho. Eu tenho certidão de casamento. O que me faz diferente de você ou qualquer outra pessoa? Foi o que questionei”, lembrou o senador.

Contarato disse esperar que  Aras, enquanto estiver à frente da PGR (Procuradoria-Geral da República), defenda minorias. “Espero, do fundo do coração, que ele continue lembrando que, na Constituição, tem que ser independente, imparcial… Ele tem que fortalecer as instituições, lutar pelo meio ambiente, pela população indígena… (…) Espero que ele tenha como Bíblia a Constituição Federal”.

O senador reclamou também que a população LGBTQI depende muito do Judiciário para obter direitos, pois há resistência dentro do Legislativo.“Na hora que chega ao Senado ou à Câmara uma pauta relacionada aos costumes, é como se fosse 1 tabu. Aí quem tem que decidir? É o Supremo, o Judiciário!”, protestou.

Assista à entrevista na íntegra (50min24s):

Reprodutor de vídeo de: YouTube (Política de Privacidade)

Professor de Direito e ex-delegado de polícia, Contarato falou que é contra a liberação do porte de armas e a redução da maioridade penal. Foi contra o decreto do presidente Jair Bolsonaro que flexibiliza as regras para adquirir arma de fogo. “Entrei na Justiça contra o decreto das armas. E olha que sou delegado de polícia! Não se combate a violência armando a população. Se combate violência reduzindo desigualdade, proporcionando emprego para a população, dando iluminação pública para os bairros carentes, esgoto sanitário, tratamento, segurança…”, elencou o senador.

Contarato também se opôs às mudanças promovidas pelo governo federal nas regras de trânsito, como a redução de radares, o aumento do número de pontos permitidos na carteira de habilitação e a ampliação da validade da carteira. “O Brasil é a 4ª colocação do mundo em mortes de trânsito. São 50 mil pessoas morrendo todos os anos. Com todo respeito, o chefe do Executivo tem uma visão míope. Queria, da noite para o dia, tirar 8 mil radares das rodovias federais”, disse.

Para ele, a flexibilização das multas de trânsito é uma medida “populista” do presidente. Contarato disse que foi criticado por seu posicionamento contrário às alterações patrocinadas pelo governo. “Recebi vídeo de caminhoneiro, motoristas do Brasil todo falando que eu era a favor da indústria de multa. Não, não sou, mas não posso compactuar com a indústria de mortes”, disse.

Contarato acrescentou dados. Disse que a retirada dos radares reduz as multas, mas aumentam gastos em outras áreas, como Saúde e Previdência: “Eu sei que aumentando número de acidentes de trânsito, mais de 80% dos leitos de hospital público no setor de ortopedia e traumatologia são ocupados por vítimas de acidentes de trânsito. Sei que vai repercutir na Previdência, no INSS. As pensões por morte, invalidez e auxílio doença vão aumentar”.

Sobre a indicação do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) para o cargo de embaixador do Brasil em Washington, Contarato disse que já tem 3 ações prontas para usar e tentar impedir que se consume. “Indicar o próprio filho para um cargo desse viola a ética”, avaliou.

O senador disse acreditar que o presidente Jair Bolsonaro não tem o número de votos necessários para fazer passar a indicação. Caso contrário, já teria tornado oficial sua escolha.

Fonte: MSN

2-2 PG - Infotech
3-2 PG - Espaço Regional
1-1 PG ELETRIBEL
Magirus
Paraná
Comunic
Vizi Pet
Expo Vizinho
Rc Amb. Planejados
Real Planejados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.