Integrantes do

© Fornecido por Associados.com Integrantes do

Os fantasmas das eleições de 2018 ainda devem assombrar muita gente graúda do PSL, partido do presidente Jair Bolsonaro. Nos últimos dias, a crise na legenda mudou de patamar e escalou a rampa do Palácio do Planalto. As atenções voltadas às candidaturas de fachada em Pernambuco e Minas Gerais agora se voltam também para as suspeitas de que a estrutura da sede do governo esteja sendo usada para comandar um batalhão de perfis falsos nas redes sociais, com a missão de espalhar difamações e mentiras. Em entrevista ao Correio, o presidente da CPI mista das Fake News, senador Ângelo Coronel (PSD-BA), disse que “a comissão de inquérito não foi criada para servir de arena de disputa política, mas adotará todo o rigor nas investigações e na responsabilização dos envolvidos”.

“A CPMI aprovou requerimento de convocação de pessoas que trabalharam na campanha do presidente Jair Bolsonaro para que esclareçam denúncias de disseminação de fake news. Vamos apurar com todo o rigor, mas não vou permitir que a CPMI seja transformada em palanque para quem queira se vingar”, afirmou o senador, assegurando não ser governista nem de oposição. “Nosso objetivo é deixar um grande legado para o país, com uma legislação mais dura contra as fake news e uma maior proteção para a sociedade. Afinal, as fake news destroem reputações, ofendem famílias, e não podemos mais permitir que pessoas mal-intencionadas se sintam seguras por trás de um computador para continuar a fazer isso”, afirmou.

Impulsionada pelas investigações sobre o uso de candidaturas fantasmas nas eleições passadas, a crise no PSL se transformou em uma disputa interna entre partidários do presidente do partido, deputado Luciano Bivar (PE), e de Bolsonaro. O presidente da República virou alvo de ameaças e acusações de ex-aliados. A revelação da deputada Joice Hasselmann (SP), retirada por Bolsonaro da liderança do governo no Congresso, de que a difusão de fake news iniciada na campanha continua a todo vapor dentro do Planalto abalou em Brasília.

Nos próximos dias, a CPMI vai agendar os depoimentos de seis assessores de Bolsonaro que tiveram a convocação aprovada na semana passada. Os requerimentos foram apresentados pela oposição, que tem maioria no colegiado e imposto sucessivas derrotas à ala governista. Entre os convocados estão integrantes do chamado “gabinete do ódio”, uma expressão usada internamente no governo para se referir ao grupo formado pelos assessores especiais da Presidência Tércio Arnaud Tomaz e José Matheus Sales Gomes, além de Mateus Diniz, lotado na Secretaria de Imprensa. Eles são ligados ao vereador do Rio de Janeiro Carlos Bolsonaro (PSC), filho do presidente.

A lista de convocados inclui também duas assessoras que trabalharam na AM4 Inteligência Digital, empresa contratada pela campanha de Bolsonaro. São elas Rebecca Félix e Taíse Feijó, trazidas para o governo pelo ex-ministro da Secretaria-Geral da Presidência Gustavo Bebianno, demitido em fevereiro depois de se desentender com Carlos Bolsonaro. Rebecca foi demitida do cargo que ocupava no Palácio no último dia 17. Durante a campanha, ela coordenou a equipe de comunicação digital, encarregada das redes sociais. Chegou a prestar depoimento no Tribunal Superior Eleitoral em processo que investiga o disparo de mensagens em massa por WhatsApp.

Taíse, lotada na Secretaria de Modernização do Estado, entrou no governo na assessoria do Bebianno, que coordenou a campanha de Bolsonaro. Na AM4, ela ajudou a operar a estratégia de comunicação digital do então candidato. Outros convocados pela CPMI são o secretário de Comunicação, Fabio Wajngarten, e o assessor especial da Presidência Filipe Martins.

As expectativas para esta semana na CPI giram em torno do depoimento do deputado Alexandre Frota (PSDB-SP), ex-aliado e agora desafeto de Bolsonaro, marcado para quarta-feira. Em agosto, em entrevista ao programa Roda Viva, da TV Cultura, ao ser questionado sobre o suposto impulsionamento de fake news pela campanha presidencial do PSL, Frota respondeu que sabia de todo o método. Como o parlamentar foi convidado, ele não é obrigado a comparecer

Os movimentos em Brasília indicam que a crise do PSL poderá trazer ainda mais dores de cabeça para Bolsonaro. Há um sentimento grande de revolta entre deputados contra o presidente e seu filho e deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP), que se tornou líder da legenda na Câmara em substituição a Delegado Waldir (GO), após uma conturbada disputa.

Apesar de Eduardo insistir que a poeira baixou e a crise está debelada, uma forte tensão ainda está no ar. “Eles desmoralizaram o partido publicamente de uma maneira desumana, disseram que não há transparência, deram um golpe para tomar o controle, ofenderam o presidente Bivar e vários deputados, e agora querem dar uma de bonzinhos dizendo que a crise acabou? Nada disso, eles vão ter que reparar todas essas difamações que cometeram”, disse o deputado Júnior Bozella (PSL-SP).

O retorno de Queiroz 

Em áudios de WhatsApp, publicados pela Folha de S. Paulo, Fabrício Queiroz, ex-assessor do senador Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), se queixa de ter sido abandonado pelo grupo político que elegeu Jair Bolsonaro no enfrentamento da investigação que o Ministério Público move contra ele e o senador. Queiroz e Flávio são investigados por supostas práticas de lavagem de dinheiro, peculato e organização criminosa na época em que o filho do presidente era deputado estadual no Rio. “O MP está com uma p* do tamanho de um cometa para enterrar na gente. Não vi ninguém agir”, diz Queiroz. Em outro trecho, ele revela ter planos para o diretório regional do PSL no Rio de Janeiro, até agora comandado por Flávio. “Resolvendo essa p* que está vindo na minha direção, vamos ver se a gente assume esse partido aí. Eu e você de frente aí. Lapidar essa p*”, afirma ele ao interlocutor, que não foi identificado. 

Fonte: MSN

Saboretto
Viper
Zanella
2-2 PG - Infotech
3-2 PG - Espaço Regional
1-1 PG ELETRIBEL
Magirus
Paraná
Comunic

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.