Aras diz que ‘não há nada’ que vincule Bolsonaro a assassinato de Marielle

© Fornecido por S.A. O Estado de São Paulo

O procurador-geral da República, Augusto Aras, afirmou ao Estado que ‘não há nada’ que vincule o presidente Jair Bolsonaro à investigação sobre o assassinato da vereadora do Rio de Janeiro Marielle Franco (PSOL) e seu motorista Anderson Gomes, em março de 2018. Aras disse que aceitou o pedido do ministro da Justiça, Sérgio Moro, e vai pedir ao Ministério Público Federal do Rio que investigue os motivos da acusação contra Bolsonaro. Para o procurador, o presidente é ‘vítima’ de uma possível denunciação caluniosa.

“Nos elementos informativos que o procurador-geral de Justiça do Rio de Janeiro encaminhou ao Supremo, que encaminhou à Procuradoria Geral da República, não há nada que vincule o presidente da República a qualquer evento. Não há nada. A minha assessoria ouviu todos os áudios (relativos ao condomínio de Bolsonaro) e não há nenhuma participação do presidente ou de indício da voz do presidente”, afirmou Aras ao Estado.

O procurador-geral afirmou que aceitou o pedido de Sérgio Moro, para apurar se houve ‘tentativa de envolvimento indevido’ do nome do presidente Jair Bolsonaro no caso.

Em depoimento revelado pelo Jornal Nacional nessa terça-feira, 29, um porteiro do condomínio Vivendas da Barra, onde morava Ronnie Lessa, um dos acusados de matar Marielle, afirmou à Polícia Civil que um homem chamado Élcio entrou no local dizendo que iria à casa 58, onde mora Bolsonaro. Segundo o porteiro, quem teria atendido o interfone foi “seu Jair”, que teria autorizado a entrada. Registros da Câmara dos Deputados, no entanto, mostram que Jair Bolsonaro estava em Brasília nesse dia.

De acordo com Aras, os investigadores da PGR ouviram todos os áudios e os elementos apresentados pelo Ministério Público do Rio e concluíram que não havia nenhum indício para que qualquer investigação fosse aberta envolvendo o presidente como suspeito.

“O MP do Rio comunicou ao Supremo uma NF, uma notícia de fato dizendo o fato tal (o depoimento do porteiro). E juntou documentos que mostram que o presidente estava na Câmara Federal no momento do que teria sido narrado. Mandou também ao Supremo os áudios (as gravações no sistema da portaria do condomínio de Bolsonaro). E esses áudios não trouxeram nenhuma  referência ao nome do presidente da República e nem sequer qualquer citação ao presidente da República”, explicou Aras, afirmando que a notícia de fato foi arquivada.

“O Supremo mandou à Procuradoria e a Procuradoria mandou arquivar”, explicou Aras.

O procurador-geral disse ainda que o pedido de Moro para que se tenha uma investigação sobre o depoimento do pedreiro é normal.

“Hoje de manhã, o ministro Sérgio Moro apresentou à PGR para apurar o crime de quem é vítima o presidente da República. Não havendo notícia de autoria ou coparticipação de pessoa com prerrogativa de foro, sendo o presidente vítima e não investigado ou réu, eu vou encaminhar para a Procuradoria da República do Rio de Janeiro a representação do ministro Moro. E lá, meus colegas da Procuradoria, juntos com a Polícia Federal, vão apurar acerca dos fatos que envolvem delitos cuja a vítima é o presidente da República”, disse Aras.

Aras disse, contudo, que o caso pode voltar a Brasília caso apareçam elementos concretos do envolvimento de pessoas que tem como foro privilegiado ao Supremo Tribunal Federal.

“Se no curso das investigações surgir alguma prerrogativa de foro no Supremo, voltará tudo para o procurador-geral da República”, afirmou Aras.

2-2 PG - Infotech
3-2 PG - Espaço Regional
1-1 PG ELETRIBEL
Magirus
Paraná
Comunic
Vizi Pet
Rc Amb. Planejados
Real Planejados
Saboretto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.