Notícias

O que o chinês procura?

06/02/2014


 

Nova Prata do Iguaçu, município de 10 mil almas, aqui pertinho, na divisa do Oeste com o Sudoeste, já carrega no nome, talvez de forma profética, um metal precioso. É lá na comunidade de Santa Inês que, sorrateiramente, um chinês entendido no mundo do minério e de pedras preciosas passou 30 dias cavando.
Ele cavou e removeu cerca de 60 toneladas de material na propriedade da família Cachoeira (nada a ver com o bicheiro). Pequenos produtores (5 alqueires), os Cachoeira viram o chinês esvaziar o açude e cavar durante 30 dias. O material foi processado em uma usina das proximidades, e dez toneladas remetidas para a China.
Isso faz 90 dias. O chinês disse que iria avaliar o material em equipamentos sofisticados e voltaria. O que exatamente há na terra dos Cachoeira? Uns falam em cobre, outros em urânio. Quem viu as dez pequenas pedras que o chinês achou, relata que são esféricas e pesadas.
Não é a primeira vez que Nova Prata, cidade que ganha ainda este ano seu primeiro elevador (um prédio de oito andares está sendo edificado no centro), é visitada por “gringos” acometidos da febre do ouro.
A mesma propriedade, anos atrás, recebeu uma comitiva de ingleses, também procurando minérios valiosos. Na ocasião, a prospecção não vingou. Era riqueza para inglês ver. Mas foi tanto sururu naquelas terras estorricadas por um sol inclemente, que o Exército Brasileiro embargou a área, pois ninguém pode explorar o subsolo sem autorização federal.
O que o chinês viu na terra dos Cachoeira ainda é uma incógnita. Ele ficou um mês hospedado no hotel Caxias. O proprietário, Valdir Daniel, que se comunicava com o hóspede através de um tradutor, afiança que o asiático não é um aventureiro. “Ele demonstrou seriedade e firmeza. Tem muita coisa valiosa naquelas terras”, diz Daniel.
Em tempo: Se forem encontradas riquezas no subsolo de Nova Prata do Iguaçu, também conhecida como New Silver, dois cascavelenses com extensas áreas de terra naquele município poderão se beneficiar: o ex-presidente da Fundetec, Lindonez Rissotto e o secretário de Esportes, Wanderlei Faust.

Editorial: O Pitoco esteve visitando a área dos Cachoeira. O que encontrou foi algo parecido com o que conhecemos por “taperas”, casas antigas de madeira, um certo ar de abandono, uma cratera de uns quatro metros de profundidade onde o chinês andou cavando e cordas delimitando um ponto mais específico. Enquanto a fortuna não vem pelo minério, a lavoura de soja chega quase no portão da casa. E provavelmente, após colhida, a exemplo do minério, também viaja para a China, destino de quase metade da produção nacional de soja (38 milhões de toneladas).

 

Logo_pitoco

 


Comentários

0 Comentários

Deixe o seu comentário!